Agência de Notícias

16/09/2011

Ex-soldado de Missão de Paz no Haiti é condenado pela Justiça Militar

Brasília, 16 de setembro de 2011 – A Auditoria Militar de Brasília (11ª CJM) condenou um ex-militar à pena de seis meses de detenção pelo crime de oposição à ordem de sentinela. O ex-soldado do Exército fazia parte da Missão de Paz das Nações Unidas no Haiti, onde cometeu o crime.

De acordo com a denúncia oferecida pelo Ministério Público Militar (MPM), o ex-soldado foi preso em flagrante ao sair do quartel portando um fuzil de propriedade do Exército e aparentando nervosismo. A sentinela ordenou que ele não saísse do aquartelamento, mas o ex-militar desobedeceu, infringindo o artigo 164 do Código Penal Militar (CPM).

A denúncia acrescentou que o militar saiu do quartel com a intenção de discutir com um haitiano porque ele se recusou a lhe fornecer bebida alcoólica. O militar e um colega estavam de folga e ingeriam bebidas que o haitiano lhes entregava por cima do muro do quartel. Diante da recusa em comprar mais bebida, o ex-soldado teria pegado o fuzil para discutir com o haitiano.

Em depoimento, o ex-militar afirmou que o haitiano estava estuprando uma mulher no veículo do lado de fora do quartel e que agiu em legítima defesa de outrem. O MPM refutou essa declaração, argumentando que nenhuma testemunha corroborara a tese de que havia uma mulher envolvida no caso.

A Defensoria Pública da União pediu a absolvição do réu afirmando que o ex-militar não agiu com dolo, uma vez que ele declarou em depoimento não ter ouvido a ordem da sentinela. Segundo o defensor público, a negativa deveria ter sido feita de forma consciente, o que não ocorreu devido à embriaguez do réu no momento do crime.

No julgamento, a juíza-auditora Zilah Fadul Petersen, votou pela absolvição do ex-militar com base no artigo 439, alínea “e”, do CPM, pois entendeu que não havias provas suficientes que atestassem que o réu agiu conscientemente, ou seja, com dolo.

No entanto, os juízes militares, por maioria, votaram pela condenação do ex-soldado. Eles seguiram o entendimento de que o ex-militar se embriagou voluntariamente e deve assumir as conseqüências do ato, como incorrer em crime militar, por exemplo. A sentença foi estabelecida em seis meses de detenção e foi concedido o benefício da suspensão condicionada da pena pelo prazo de dois anos. Cabe recurso da decisão ao Superior Tribunal Militar.

Este foi o primeiro caso de um crime militar cometido no Haiti julgado pela Justiça Militar brasileira. É da Auditoria Militar de Brasília a competência para julgar todos os crimes militares praticados por brasileiros fora do território nacional.

A primeira instância da Justiça Militar

Na primeira instância da Justiça Militar, os julgamentos são realizados nas Auditorias Militares pelos Conselhos de Justiça. Quando o réu é civil ou praça, o julgamento é realizado pelo Conselho Permanente de Justiça. O Conselho é formado pelo juiz-auditor e quatro oficiais da mesma Força do acusado. Quando o crime envolve oficiais, o julgamento é conduzido pelo Conselho Especial de Justiça, formado por quatro oficiais da mesma Força e de patente superior à do acusado ou do mesmo posto, desde que mais antigo.

Esta formação mista dos juízes é chamada tecnicamente de escabinato, o que significa que os julgamentos são realizados a partir da experiência que os juízes militares trazem dos quartéis e do conhecimento dos juízes civis acerca da ciência jurídica.

Todas as decisões proferidas pela primeira instância da Justiça Militar podem ser analisadas em sede de apelação pelo Superior Tribunal Militar.

Mais nesta categoria